Clap Your Hands Say Yeah @ Cine Joia

Em 2005 as bandas indies que mudariam o mundo estavam começando a aparecer nas rádios, The Strokes lançava “Juicebox” como single, Bloc Party estreava com “Silent Alarm”, também conhecido como melhor disco da década [Fonte: Eu], The New Pornographers lançava “Twin Cinema”, Spoon com “Gimme Fiction”, Franz Ferdinand cheio de hits com “You Could Have It So Much Better”, Maxïmo Park com “A Certain Trigger”, “Fuck Forever” do Babyshambles era o single supremo da banda, Daft Punk tocava na casa do LCD Soundsystem, Sufjan Stevens lançava “Illinois”, The National – “Alligator”, isso sem contar o pop punk que era o que dominava a MTV entre outros pontos altos como Sigur Rós, Kraftwerk, Okkervil River, Gorillaz e Bright Eyes.

IMG_9332

Calor, barulho e Crocodiles em São paulo

Terça-Feira não é dia de show, independente da banda, preço e local tudo que você quer em uma Terça-Feira é descansar, mas assim como outros shows pela Balaclava o preço e o artista falavam mais alto e valia um esforço para sair de casa e curtir uma terça com muitos efeitos de pedal. Depois de Mac DeMarco, Real Estate e Sebadoh, chegou a vez do duo de noise/psychedelic pop Crocodiles tocar no Brasil. O show ocorreu na Serralheria e contou com a abertura do The Soundscapes.

Primavera Sound 2015 – A perfeição em forma de festival

Em maio, durante os dias 27 até 30, ocorreu o Primavera Sound em Barcelona, o Primavera é aquele festival dos sonhos é aquele festival que você nunca sairá decepcionado independente do que aconteça e em 2015 nós do Discophenia estivemos lá para acompanhar um dos maiores (e melhores) festivais do mundo. Aqui você encontra uma carta de amor ao festival.

primavera

Club NME: Temples em São Paulo

Ano passado o lado psicodélico da música recebeu o trem do hype com o lançamento de “Sun Structures” o debut dos britânicos do Temples e tudo isso se deu graças a comentários de artistas como Johnny Marr, Noel Gallagher entre muitos outros que falavam de salvação do rock e etc. Eu particularmente odeio esse tipo de música, para mim a última grande banda do psicodélico foi o Flaming Lips.

temples22

Welcome to The Jungle na Audio Club

Jungle é o tipo de banda que surge do nada, com um único álbum, músicas dançantes, refrão fácil e uma pegada que mistura Synthpop, funk, soul e disco eles são fáceis de se escutar e caem no gosto de muita gente principalmente os publicitários que adoram esse tipo de música para suas propaganda. Num revival oitentista mas sem deixar de ser atual os londrinos misturam Bee Gees com Capital Cities e Fitz and The Tamtrums e vieram ao brasil para mostrar o som do seu debut que leva o nome da banda.

Allah-Las no SESC Pompeia

A Balaclava Records junto com a Brain Productions já são os heróis do submundo indie da música. Se você pensar em uma banda razoavelmente pequena e que se encaixa no perfil surf/noise/dream/alternative rock/pop pode ter certeza que tem alguma chance dessa banda vir para o Brasil pelos caras e melhor a um preço justíssimo de SESC. A banda da vez foi o Allah-Las.

O quarteto californiano esgotou o SESC Pompeia e apesar de ser um som revival onde a falta de inovação acaba deixando a música genérica, o Allah-Las em estúdio tem seus momentos. Com um surf rock ensolarado e dois álbuns de estúdios é impossível não curtir o som dos caras, mesmo que muitas musicas sejam quase idênticas umas as outras (ainda assim boas) e foi com esses dois álbuns, o self-titled de 2012 e Worship The Sun de 2014 a banda mostrou que nem sempre o que se ouve em estúdio é igual ao vivo.

Como eu disse acho esse tipo de música, se não tem algo que te anima logo de cara, genérico, algo que hoje em dia é muito comum nesse gênero de surf rock assim como outros como Indie Folk e o novo rock psicodélico, mas ao vivo Allah-las por mais que façam as coisas idênticas ao álbum de estúdio o som ao vivo é outra experiência é uma energia totalmente diferente.

A galera desde fãs assíduos que fritavam solos de guitarra invisível até os apreciadores do som que dançavam de olhos fechados junto com o clima praieiro que mistura um The Monkees com Beach Boys e até um Beatles fase Hard Day’s Night fizeram com que o show fosse muito bom, basta gostar de música ao vivo que qualquer um iria se divertir no show dos caras.

O setlist tocado variava entre os dois álbuns lançados com destaques para “Had it All”, “Follow You Down” e o hit “Catamaran”. Um show divertido, simples, sem firulas ou grandes produções, confortável para curtir uma noite de semana a um preço acessível e que voltem mais vezes pois é um show imperdível para quem gosta do estilo.