BEGIN TYPING YOUR SEARCH ABOVE AND PRESS RETURN TO SEARCH. PRESS ESC TO CANCEL

“24 Horas Sem Estupro” – Andrea Dworkin

Esse discurso foi feito na Midwest Regional Conference of the National Organization for Changing Men em 1983 em St Paul, Minnesota. Nunca encontrei ele em português, então traduzi porque acho que todo mundo deveria ler. Especialmente os homens que dizem que querem fazer algo pelo feminismo.

Captura de Tela 2014-09-10 às 14.41.10

“Eu quero 24 horas sem estupro” – Andrea Dworkin

Eu pensei muito sobre como uma feminista, como eu, poderia falar com uma audiência composta majoritariamente de homens envolvidos com política e que dizem que são contra o machismo. E eu pensei muito se deveria haver alguma diferença no que eu iria falar a vocês. E então eu me encontrei incapaz de fingir que eu realmente acredito que essa diferença existe. Eu acompanhei o movimento dos homens por muitos anos. Eu sou próxima de muitas pessoas que militam nele. Mas eu não posso vir aqui como uma amiga, embora eu quisesse. O que eu gostaria de fazer é gritar: e nesse grito eu teria os gritos das estupradas, o choro das espancadas; e ainda pior, no centro desse grito eu teria o ensurdecedor som do silêncio das mulheres, esse silêncio em que nós nascemos porque somos mulheres e no qual a maioria de nós vai morrer.

E se fosse haver algum apelo ou alguma questão nesse grito, seria essa: por que vocês são tão lentos? Por que vocês demoram tanto para entender as coisas mais simples – não as ideologias complicadas. Vocês entendem essas. Mas as coisas simples, os clichês. Que as mulheres são humanas precisamente no mesmo degrau e qualidade que vocês são.

E também: que nós não temos tempo. Nós, mulheres. Nós não temos “para sempre”. Algumas de nós não têm nem uma semana ou um dia a mais para que vocês tenham tempo para discutir o que quer que seja que faça que vocês vão para as ruas para fazer alguma coisa. Nós estamos muito perto da morte, todas as mulheres estão. E nós estamos muito perto de sermos estupradas e espancadas. Nós estamos dentro de um sistema de humilhação do qual é impossível escapar. A gente não usa estatística para tentar quantificar as injúrias, mas para convencer o mundo que essas injúrias sequer existem. Essas estatísticas não são abstratas. É fácil falar “ah, as estatísticas, alguém as escreve algum dia, outra pessoa as escreve outro dia…”. É verdade. Mas eu escuto as histórias sobre estupro, uma por uma por uma por uma por uma, e é assim também que elas acontecem. Essas estatísticas não são abstratas para mim. A cada três minutos uma mulher é estuprada. A cada dezoito segundos uma mulher é espancada. Não existe nada abstrato sobre isso. Tá acontecendo agora mesmo, enquanto eu falo com vocês.

E tá acontecendo por um motivo bem simples. Não há nada complexo ou difícil nesse motivo. Os homens são os culpados disso, pelo tipo de poder que eles exercem sobre as mulheres. E esse poder é real, concreto, exercido de um corpo para outro corpo, exercido por alguém que acredita que tem esse direito, exercido em público e em privado. É a soma e a substância da opressão das mulheres.

Isso não é feito a milhares de quilômetros de distância. É feito aqui e agora e é feito pelas pessoas nessa sala, assim como por outros contemporâneos nossos: nossos amigos, nossos vizinhos, as pessoas que conhecemos. As mulheres não precisam ir pra escolar para aprender sobre poder. A gente só precisa ser mulher, caminhando por uma rua ou tentando fazer o trabalho de casa depois de abrir mão do seu próprio corpo no casamento e perder todos os direitos sobre ele.

O poder exercido pelos homens no dia a dia é um poder institucionalizado. É protegido por lei. É protegido pela religião e pela prática religiosa. É protegido pelas universidades, que são fortalezas da supremacia masculina. É protegido pela polícia. É protegido por aqueles que Shelley chama de “os legisladores não reconhecidos do mundo”: os poetas, os artistas. E contra todo esse poder, nós temos silêncio.

É uma coisa extraordinária tentar entender e confrontar o motivo pelo qual os homens acreditam – e eles acreditam – que eles têm o direito de estuprar. Eles podem não acreditar quando perguntados diretamente. Quem aqui acha que tem o direito de estuprar, por favor levante a mão. Poucas mãos vão subir. Mas é na vida que os homens acreditam que têm o direito de forçar sexo – que eles não chamam de estupro. E é algo extraordinário tentar entender que homens realmente acreditam que têm o direito de bater e de machucar. E é igualmente extraordinário tentar entender que homens realmente acreditam que têm o direito de comprar o corpo de uma mulher para fazerem sexo – e que isso é o seu direito. E é também surpreendente tentar entender que os homens acreditam que essa indústria de 7 bilhões de dólares, que traz vaginas para as suas vidas, é algo a que eles têm direito.

Essa é a forma que o poder dos homens se manifesta na vida real. Isso é o que a teoria da supremacia masculina significa. Significa que você pode estuprar, que você pode bater, que você machucar. Significa que você pode comprar e vender mulheres, que existe uma classe de pessoas para prover o que você precisa. Você ganha mais dinheiro que elas, então elas precisam vender sexo. Não só nas esquinas das ruas, mas no trabalho. Esse é outro direito que vocês parecem presumir que têm: acesso sexual a qualquer mulher do seu ambiente, na hora que vocês quiserem.

Agora, o movimento dos homens sugere que os homens não querem esse tipo de poder que eu acabei de descrever. Eu, na verdade, ouvi declarações inteiras que me falavam isso. E, mesmo assim, tudo é motivo pra não se mexer para mudar o fato de que, sim, vocês têm esse poder.

Se esconder atrás da culpa, esse é o meu motivo favorito. Eu adoro. Ah, claro, é horrível, me desculpe. Só que vocês têm tempo para sentir culpa. Nós não temos tempo para que vocês se sintam culpados. A sua culpa é uma forma de conivência com o que acontece. A sua culpa mantém as coisas do jeito que elas são.

Eu escutei muito, nos últimos vários anos, sobre como os homens sofrem também com o machismo. Quer dizer, eu passei a vida inteira ouvindo sobre o sofrimento dos homens. Nem precisa falar, eu li Hamlet e King Lear, eu sou uma mulher culta. Eu sei que homens sofrem. Mas esse é um novo desdobramento: implícita na ideia de que é um tipo diferente de sofrimento está a alegação, acredito, de que em parte, vocês sofrem por causa de algo que acontece com outro grupo. Isso seria, de verdade, algo novo.

Mas grande parte da sua culpa e do seu sofrimento se reduz a: “nossa, me sinto tão mal”. Tudo faz vocês se sentirem mal. O que vocês fazem, o que vocês não fazem, o que vocês querem fazer, o que vocês não querem fazer mas vão fazer mesmo assim… Pra mim, grande parte da sua angústia é exatamente isso: “nossa, me sinto tão mal, de verdade”. E eu sinto muito que você se sinta tão mal – tão inutilmente e estupidamente mal – porque de uma forma essa é, sim, sua tragédia. E eu não to falando do fato de homens não poderem chorar ou do fato de que não existe intimidade verdadeira nas suas vidas. Eu não to falando sobre a armadura que homens precisam vestir, que é ridícula: e eu não duvido que seja. Mas não falo disso.

O que eu to falando é que tem uma relação direta entre a forma que mulheres são estupradas e a socialização dos homens para estuprar com a máquina de Guerra que tritura e cospe cada um de vocês: essa máquina de Guerra pela qual vocês são obrigados a passar assim como uma mulher passou por uma máquina de moer carne na capa da Hustler. Espero de verdade que vocês acreditem que essa tragédia também é sobre vocês, porque vocês estão se tornando soldados a partir do dia que nascem e tudo que vocês aprendem sobre como negar a humanidade das mulheres é parte do militarismo desse país em que vocês vivem e desse mundo em que vocês vivem. Também é parte da economia que vocês frequentemente alegam protestar contra.

E o errado é que vocês acham que o problema tá lá fora, e não tá. Tá em vocês. Os cafetões e os belicistas falam por vocês. Estupro e guerra não são tão diferentes. O que cafetões e belicistas fazem é deixar vocês orgulhosos de serem homens que conseguem ficar de pau duro e foder com força. E eles pegam essa sexualidade aculturada e colocam vocês em uniformes e mandam vocês embora para matar e morrer. Agora, eu não to sugerindo que isso é mais importante que o que vocês fazem para as mulheres, porque não é.

Mas eu acho que, se você quer olhar para o que o sistema faz com você, então é aqui que você deveria começar: as políticas sexuais da agressão, as políticas sexuais do militarismo. Os homens estão com medo dos outros homens. Isso é algo que muitas vezes vocês tentam discutir em grupos pequenos, como se, caso mudassem suas atitudes uns com os outros, deixariam de sentir medo.

Mas enquanto sua sexualidade tiver relação com agressão, enquanto seu senso de direito sobre a humanidade significar ser superior a outras pessoas – e tem tanto desprezo e hostilidade nas suas atitudes com mulheres e crianças – como vocês podem não ter medo? Eu acho que vocês percebem, corretamente, mesmo sem conseguir lidar com isso de forma política, que homens são perigosos: porque vocês são. A solução que o movimento dos homens propõe para fazer com que vocês se tornem menos violentos uns com os outros é mudar a forma que vocês se tocam, que vocês agem com o outro. Essa não é uma solução, é a hora do recreio, é uma pausa recreacional.

Essas conferências também estão preocupadas com a homofobia. Homofobia é muito importante para a forma que a supremacia masculina trabalha. Na minha opinião, as proibições contra a sexualidade masculina existem para proteger o poder dos homens. Faça isso com ela. Enquanto homens estuprarem, é muito importante que dirijam o estupro às mulheres. Enquanto o sexo for carregado de hostilidade e expressar poder e desprezo pela outra pessoa, é muito importante que homens não sejam estigmatizados como mulheres ou usados da mesma forma. O poder dos homens enquanto classe depende de manter homens inviolados e mulheres sexualmente usadas por homens. A homofobia ajuda a manter essa classe de poder: e também ajuda a manter vocês, como indivíduos, protegidos uns dos outros, protegidos do estupro. Se vocês querem fazer alguma coisa em relação à homofobia, vocês terão que fazer algo sobre o fato de que homens estupram, e que esse sexo forçado não é incidental da sexualidade masculina, mas sim praticado de forma paradigmática.

Alguns de vocês estão preocupados com o crescimento da Direita no país, como se isso fosse algo separado das questões do feminismo ou do movimento dos homens. Tem uma charge que eu vi esses dias que resumiu tudo muito bem. Era uma foto imensa do Ronald Reagan como caubói, com um grande chapéu e uma arma. E dizia: “Uma arma em cada coldre; uma mulher grávida em cada casa. Que a América seja um homem novamente”. Essa é a política da Direita.

Se vocês têm medo da ascensão do fascismo nesse país – e você teria que ser muito tolo para não ter – então você precisa começar a entender que a raiz de tudo tem a ver com a supremacia masculina e o controle das mulheres, com o acesso sexual às mulheres, com as mulheres como escravas sexuais, com o domínio privado das mulheres. Esse é o programa da Direita. Essa é a moralidade de que eles falam. É isso que eles querem dizer, é isso que eles querem. E a única oposição que faz diferença é a oposição ao domínio das mulheres pelos homens.

O que está envolvido nessa noção de fazer algo sobre isso? O movimento dos homens parece preso em dois pontos. O primeiro é que eles não se sentem tão bem assim consigo mesmos. Aliás, como poderiam? O segundo é que os homens chegam para mim e outras feministas e falam “o que você está falando sobre os homens é verdade, mas não sobre mim. Eu não me sinto assim, eu não sou assim, eu sou contra tudo isso.”

E eu digo: cara, não fala isso pra mim. Fala pros pornógrafos, pros barões da indústria pornográfica. Fala pros cafetões. Fala pros caras que fazem as guerras. Fala pros caras que justificam estupro, que celebram o estupram, que apoiam ideologias a favor do estupro. Fala pros escritores que acham que estupro é maravilhoso. Fala pro Larry Flynt, pro Hugh Hefner. Não tem sentido nenhum em falar isso pra mim, eu sou só uma mulher. Eu não posso fazer nada sobre isso. Mas esses homens acham que falam por vocês, por todos vocês. Eles tão na arena pública falando que representam vocês. E se eles não representam, bom, vocês devem dizer isso pra eles.

E daí existe o mundo privado da misoginia: o que vocês sabem uns dos outros, o que vocês falam em confidência, a exploração que vocês presenciam nas esferas privadas, as relações que são chamadas de amor mas são baseadas em opressão. Não é o suficiente encontrar uma feminista na rua e dizer “cara, eu também odeio isso”.

Fala pros seus amigos que fazem isso. E inclusive existem ruas em que você pode falar isso em voz alta e clara para afetar as instituições que mantêm esses abusos. Você não gosta de pornografia? Como eu queria acreditar que isso é verdade. Eu só vou acreditar quando vir isso nas ruas. Eu vou acreditar quando vir uma oposição política organizada. Eu vou acreditar quando os cafetões forem obrigados a largar o negócio porque não existem mais consumidores.

Vocês querem organizar os homens. Vocês não precisam buscar questões para trabalhar, essas questões são parte da vida diária de vocês.

Eu quero falar para vocês sobre a igualdade, o que igualdade é e o que significa. Não é só uma ideia. Não é uma palavra insípida que no fim não significa nada. Não tem nada a ver com declarações como “isso também acontece com homens”. Eu falo sobre um abuso e eu escuto “ah, isso também acontece com homens”. Essa não é a igualdade pela qual estamos lutando. A gente podia mudar de estratégia e dizer: queremos igualdade, então vamos enfiar um pau na bunda de um homem a cada 3 minutos.

Você nunca vai ouvir isso do movimento feminista, porque pra nós igualdade tem dignidade e importância. Não é uma palavra qualquer que pode ser distorcida para fazer a gente parecer burra, como se não tivesse nenhum significado real.

Uma ideia vaga de abrir mão de poder como forma de praticar igualdade é inútil. Alguns homens parecem ter pensamentos vazios sobre um futuro em que homens estarão abrindo mão dos seus privilégios, mas isso também não é o que igualdade significa.

Igualdade é uma prática, uma ação. É um estilo de vida. Uma prática social. Uma prática econômica. Uma prática sexual. Ela não pode existir no vácuo. Não dá pra ter igualdade em sua casa se, no momento que as pessoas pisam for a de lá, ele está em um mundo de supremacia baseado na existência de um pênis e ela está num mundo de humilhação e degradação porque ela é percebida como inferior e porque sua sexualidade é uma maldição.

Isso não quer dizer que a tentativa de praticar igualdade em casa não vale nada. Claro que vale, mas não é o suficiente. Se você ama igualdade, se você acredita nisso, se essa é a forma que você quer viver sua vida – não só homens e mulheres juntos em uma casa, mas também homens e homens juntos numa casa e mulheres e mulheres juntas numa casa – se igualdade é o que você quer e se você realmente se importa com isso, então você tem que lutar com as instituições que podem tornar isso real.

Não é só sobre suas atitudes. Você não pode pensar e fazer existir. Não dá pra tentar às vezes, quando é vantajoso para você, e esquecer no resto do tempo. Igualdade é disciplina. É um estilo de vida. Criar igualdade nas instituições é uma necessidade política. E outra coisa sobre igualdade é que ela não pode coexistir com estupro. É impossível. E não pode coexistir com pornografia ou prostituição ou degradação econômica das mulheres em qualquer nível, em qualquer forma. Não pode coexistir, porque implícita em todas essas coisas está a inferioridade da mulher.

Eu quero ver o movimento dos homens se comprometer a acabar com o estupro porque esse é o único compromisso significativo com a igualdade. É surpreendente que nos ambientes de feminismo e contra o machismo nós não estejamos conversando seriamente sobre acabar com o estupro. Acabar. Parar. Sem mais. Sem mais estupro. No fundo, será que estamos nos apegando à sua inevitabilidade para preservar as diferenças biológicas? Será que a gente pensa que estupro sempre vai existir, não importa o que a gente faça? Todas as nossas ações políticas são mentira se não nos comprometermos a abolir a prática do estupro. Esse comprometimento precisa ser politico. Precisa ser sério, sistemático e público. Ele não pode ser auto-indulgente.

As coisas que o movimento dos homens quer valem a pena. Intimidade vale a pena. Sensibilidade vale a pena. Cooperação vale a pena. Uma vida emocional vale a pena. Mas vocês não podem ter isso em um mundo com estupro. Acabar com a homofobia vale a pena. Mas vocês não vão conseguir isso em um mundo com estupro. Estupro fica no meio do caminho de cada uma dessas coisas que vocês alegam desejar. E por estupro, bom, vocês sabem o que eu quero dizer. Um juiz não precisa entrar aqui e falar “de acordo com o estatuto, isso e isso constitui prova”. A gente tá falando de qualquer tipo de coerção para fazer sexo, inclusive coerção pela condição sócio-econômica.

Vocês não terão igualdade ou sensibilidade ou intimidade enquanto houver estupro, porque estupro significa terror. Significa que parte da população vive em um estado de terror e finge, pra agradar e pacificar vocês, que não. Então não existe honestidade. Como poderia? Você consegue imaginar o que é ser uma mulher todos os dias e viver sob a ameaça do estupro? Como é viver dentro dessa realidade? Eu quero ver vocês usarem sua força lendária, seu corpo lendário, sua coragem lendária, e a sensibilidade que vocês alegam ter para ajudar as mulheres. E isso significa ser contra os estupradores, contra os cafetões e contra os pornógrafos. Isso significa mais do que uma renúncia pessoal. Significa um ataque sistemático, politico, ativo e público. E existe muito pouco disso atualmente.

Eu vim aqui hoje porque eu não acredito que estuprar seja inevitável ou natural. Se eu acreditasse, não faria sentido estar aqui. Se eu acreditasse, minha prática política seria completamente diferente do que é hoje. Vocês já pararam pra pensar por que nós simplesmente não nos armamos para combater vocês? Não é só por causa da falta de facas nas cozinhas do país, é porque nós acreditamos na sua humanidade, apesar das evidências.

A gente não quer que a responsabilidade e o trabalho de fazer vocês acreditarem na sua humanidade seja nosso. A gente não quer mais isso. A gente sempre tentou, e fomos pagas com um sistema de exploração e abuso. Vocês vão ter que fazer isso sozinhos a partir de agora, e vocês sabem disso.

A vergonha que os homens sentem na frente das mulheres é, eu acho, uma resposta apropriada para o que os homens fazem e deixam de fazer. Eu acho que vocês devem mesmo se envergonhar. Mas o que vocês usam essa vergonha como justificativa pra continuar fazendo a mesma coisa de sempre e nada mais. Mas vocês precisam parar. Vocês precisam parar. O seu estado psicológico não importa. O quanto vocês estão machucados não importa mais do que o quanto nós estamos. Se a gente ficasse sentada falando como o estupro nos machuca e não fizesse nada, vocês acham que haveria alguma mudança nos país nos últimos quinze anos? Não haveria.

É verdade que precisamos conversar uns com os outros. De que outra forma descobriríamos que não somos as únicas mulheres no mundo que sofremos abuso, estupro e espancamento? A gente não lia sobre isso nos jornais. Não existiam livros sobre isso. Mas vocês já sabem disso, e agora a questão é: o que vocês vão fazer? Então isso não é sobre sua culpa e sua vergonha. Elas não importam pra gente. Elas não são boas o suficiente. Elas não fazem diferença.

Como feminista, eu carrego comigo, de forma pessoal, o estupro que todas as mulheres com quem eu conversei sofreram nos últimos dez anos. Como mulher, carrego o estupro que eu vivi comigo também. Vocês lembram as fotos das cidades europeias durante a Peste Negra, quando as pessoas iam com carrinhos de mão pegar os cadáveres? Bom, é mais ou menos assim que é saber sobre estupro. Pilhas e pilhas e pilhas de corpos que têm vidas e nomes e humanidade e rostos.

Eu falo por muitas feministas, não só por mim mesma, quando digo que to cansada do que eu sei, triste além das palavras com o que já foi feito com as mulheres até hoje, agora, até as 2:24 da tarde desse dia, aqui.

E eu queria um dia de trégua, um dia de folga, um dia em que nenhum corpo novo fosse empilhado, um dia em que nenhuma agonia fosse somada à que já existe, e eu to pedindo que vocês me deem isso. E como eu poderia pedir menos? Isso é tão pouco. E como vocês poderiam me oferecer menos? Isso é pedir tão pouco. Até em guerras há dias de trégua. Sério, vão e organizem uma trégua. Parem o lado de vocês por um dia. Eu quero uma trégua de 24 horas sem estupro.

Eu desafio vocês a tentar. Eu demando que vocês tentem. E eu não me importo de implorar para que vocês tentem. O que mais vocês estariam fazendo aqui? O que mais esse movimento poderia significar? O que mais importa tanto quanto isso?

E nesse dia, nesse dia de trégua, em que nenhuma mulher é estuprada, nós começaremos a verdadeira prática da igualdade, porque não podemos começar antes desse dia. Antes desse dia, isso significa nada, porque é nada: não é real. Não é verdadeiro. Mas quando esse dia chegar, isso se torna real. E então, em vez de estuprar, nós iremos, pela primeira vez na história das nossas vidas, tanto mulheres quanto homens, começar a experimentar a liberdade.

Se o seu conceito de liberdade inclui estupro, você está errado. Você não poderá mudar o que alega querer mudar. Para mim, eu quero conhecer um dia de liberdade antes de morrer. Eu deixo vocês agora para fazer isso por mim e pelas mulheres que vocês dizem amar.

11 Comments

  1. Concordo com o texto, mas ao abordar da forma ‘vcs homens cultuam o estupro’, vcs realmente incluem 100% dos homens? Encaram todos como potenciais agressores por mais que fiquem uma vida toda sem agredir?

    • Sim. Até porque a maior parte dos homens não considera agressão uma série de coisas que é agressão, sim. Então já acho altamente improvável efetivamente existir esse sujeito que você descreve.

      • Então vcs também incluem seus pais, amigos, irmãos, como agressores em potencial? Eu considero sim agressão tudo que foi citado no texto. E acho que não é assim que as coisas funcionam, agregar todos os homens num grupo os nivelando por baixo é o mesmo que os machistóides fazem quando dizem ‘mulher gosta é de dinheiro, tudo interesseira’. E ainda sem conhecer a pessoa em si. Se vc acha improvável, sugiro mudar seu círculo então. Os do meu, eu posso garantir com certeza que nunca cometeram nenhum tipo de agressão. Ou então, se vcs acham que os homens não tem jeito, por que lutar pra mudar isso? Não é mais fácil simplesmente os ‘apagar’ da face da terra?

        • Não amigo, não é a mesma coisa, isso é uma falsa simetria, se existe mulheres que gostam de dinheiro e carros, qual o problema nisso? Só sua negativa em admitir que somos estupradores em potencial (e as vezes muito mais que em potencial) já demonstra que você não captou a ideia do texto. Se queres dar o exemplo se mate então, eu prefiro me desconstruir em relação a todo um entendimento que já existe e que foi a mim designado.

  2. Incluo sim. Amigos, pai, irmãos, namorado, marido, filhos, todos já fizeram ou irão fazer alguns dos abusos citados, irão contribuir com que a objetificaçao do corpo feminino continue. Como? Assédio, prostituição, pornografia, agressão física. Perdi as contas de quantas vezes ouço esse argumento ” mas nem todos estupram” mas todos se beneficiam com isso. E todos se calam. Isso é fato.
    Outro fato é que minhas amigas, mãe, irmãs, colegas, tias, avós, estão apanhando, sendo estupradas, e muitas até terão a morte como sentença. Tudo isso feito por homens que são amigos e parentes de alguém, homens com rosto, nome e sobrenome.
    Não adianta se distanciar, negar… O problema não vai sumir. A culpa e responsabilidade é de todos os homens.

    • Eu ia responder, mas você falou tão bem o que eu tava pensando que acho que nem faz sentido. Mas você pegou um ponto sensacional: a pornografia. O consumo de pornografia é uma agressão. O consumo de prostituição, a ida em strip clubs, tudo isso são agressões e fatores da cultura do estupro. Gritar “gostosa” na rua também. Insistir com a mina na balada pra ela ficar com o cara também. A lista continua, com centenas de outros fatores. Será que o amigo ali em cima conseguiria falar que não faz nada disso? Duvido.

  3. Eu gostaria de uma definição melhor do que é considerado assédio por vcs. Como disse a Clarisse, insistir pra meinina ficar com um cara na balada é uma agressão. Mas a partir de qual ponto isso seria uma agressão? A partir do momento em que o homem tenta impor-se fisicamente para conseguir o que deseja ou só o fato de insistir verbalmente?
    Outra questão, pornografia. Mulheres também consomem produtos da industria pornográfica. Homens também fazem parte dos filmes. Quero dizer, eles fazem parte do ato sexual também. Pq só a mulher está sendo objetificada?
    Só gostaria de ter uma visão mais clara das idéias de vcs.

    • Sim, verbalmente qualquer insistência é assédio. Não é não. E sobre pornografia, falsa simetria fodida essa hein.

      • E como vc considera uma aproximacao ideal? Nao consigo enxergar como a insistencia caracteriza uma agressao. Posso estar sendo ignorante quanto a isso, mas pq? Quando li esse texto hoje, me surgiram questionamentos quanto ao comportamento feminino e masculino e lugares como uma balda, por exemplo.
        Quanto a pornografia, é possível ser mais clara? Vc somente reforcou o que tinha dito anteriormente.
        Outra questao (talvez eu tenha uma certa dificuldade no entendimento hehe), qual a base para classificar todo homem como estuprador em petencial? Seria somente o histórico? Concordo plenamente que devido a isso, eu, por exemplo, posso ser considerado (infelizmente) um estupadror em potencial aos olhos das mulheres, mas isso nao quer dizer que eu seja. Ou quer?
        Lembrando que nao estou discordando do que foi dito aqui, só necessito de esclarecimentos.

  4. Quando uma mulher está na rua e no seu caminho há um grupo de homens ela naturalmente se sente ameaçada, pois eles são potenciais estupradores, e esses mesmos homens são pais amigos irmãos de outras pessoas, mesmo assim apresentam riscos para nós, pois se exitem homens capazes de estuprar suas filhas porque não estuprariam uma desconhecida na rua? Você pode não ser um estuprador, mas nunca olhou pra uma mulher na rua como se a estivesse despindo e não percebeu ela se sentir ameaçada? Com isso não digo que não se pode olhar pra uma mulher, porque eu também olho, mas vocês percebem a diferença entre um olhar que demonstra um “cara, você é bonita” pra um que demonstra “quero te comer agora”? E percebem o quanto isso ameaça uma mulher, e os torna estupradores em potencial? Quanto a insistência em baladas, a partir do momento em que a mulher diz não o homem deve entender que é não e fim, porque insistir? se ela quisesse ela teria dito sim, mas ela disse não, então é não.

  5. Cristiane

    Sobre todo e qualquer homem ser considerado um estuprador em potencial… Eu (acho que) entendo porque os homens de um modo geral não compreendem essa generalização e se ofendem com isso. Todo mundo sabe que estupro é errado, portanto ninguém quer ser acusado de ser estuprador ou estuprador em potencial. Mas o fato é que o conceito de estupro mais “comum” é aquele violentíssimo, explícito, aquele dos noticiários “Jovem estuprada e morta no caminho para casa”. O ponto é que estupro é muito, muito mais do que isso. É toda uma cultura, a cultura na qual estamos imersos, impregnada de violência contra a mulher, que nos diminui, nos inferioriza e nos culpa pela violência que sofremos.

    Sobre baladas: como já foi dito, não e não e pronto. Existe diferença entre um “não” pra se fazer de difícil e um “não” porque não quer. Mas isso envolve sutilezas como linguagem corporal que não cabe discutir aqui. Minha dica é: preste atenção nos sinais. Uma mulher numa balada podem estar procurando apenas socialização, diversão, dançar, etc. Pode também, é claro, estar lá com a intenção de ficar com um homem, mas isso não significa que ela deva aceitar todo e qualquer homem que cruze seu caminho, ainda que esteja lá para ficar com alguém.

    Sobre pornografia: mulheres também consomem pornografia, verdade, mas nem queria comparar o número de consumidoras femininas desse tipo de produto com os consumidores masculinos! A pornografia é feita por homens, para homens. Nela, a mulher é objetificada, humilhada, usada – literalmente – e seus instintos e desejos são completamente distorcidos! O homem é sempre ativo na ação, a mulher sempre passiva; a libido feminina é retratada de forma exagerada, como se desejássemos sexo o tempo todo, em qualquer lugar, com qualquer pessoa, de qualquer forma. Isso não faz sentido! É irreal! Tudo na pornografia é irreal!

    Sinceramente, essas dúvidas masculinas me deixam intrigada… Pra mim são questões tão óbvias! Sugiro a todos mais empatia em relação ao outro. Eu nunca fui estuprada (ainda bem!!!!), mas consigo imaginar o quão horrível isso é. Nunca sofri racismo, sou branca, mas me sensibilizo com a questão e me policio para não reproduzir atitudes racistas. E só consigo fazer isso porque coloco em prática minha empatia.

Leave a comment