Precisamos falar com os homens?

Precisamos falar com os homens?

154Shares

Eu sou daquele tipo de feminista que acredita que o feminismo é um movimento das mulheres, para mulheres. Mas eu acredito que homens podem trabalhar para a igualdade de gênero – vejam bem, eu não disse que homens podem participar ativamente do feminismo, disse que podem contribuir para a igualdade de gênero. Como? Revendo seus privilégios, aceitando os confrontos das minas, entrando num processo de desconstrução. Tenho muitos amigos que me pedem conselhos sobre isso e eu costumo falar: começa abrindo mão da pornografia, parando de assediar meninas, abandonando piadas machistas. Pára de falar pras mulheres e vai falar pros homens: briga com os amigos que mantêm comportamentos machistas.

O processo de desconstrução é longo e pode ser dolorido. Muitas vezes, é um processo pra vida toda. E podem me acusar por ser pisciana e ingênua demais, mas eu acredito que a gente possa construir um mundo melhor abrindo diálogos (até a revolução, pelo menos). Nós, mulheres, já estamos falando sobre isso. Tá na hora de os homens falarem também.

Fiquei sabendo essa semana do documentário “Precisamos falar com os homens?”, da ONU Mulheres aqui no Brasil, que foi feito a partir de uma pesquisa com 20.000 pessoas e têm a participação de minas fodas como a Clara Averbuck.

 

Assistir a iniciativas que envolvem homens e falam de igualdade de gênero é sempre uma experiência agridoce. A gente nunca sabe o que vai aparecer e que tipo de justificativa pra machismo a gente vai encontrar. Nesse trailer – e nos teasers – a sensação que eu tive foi outra: não se buscou, aqui, desculpar os homens pelo papel ativo no machismo que se propaga. O que eu vi foi uma responsabilização deles: senta aqui, você é agente disso tudo, tá na hora de você encarar o que você faz.

E essa lição é muito boa.

Por isso, convido todo mundo a assistir ao documentário, que estreia no dia 25/10 nesse canal do YouTube. E mandar pro amigo, pro namorado, pro vizinho, pro irmão, pro pai, pro tio. Por que sim: (infelizmente, talvez) nós precisamos falar com os homens.

 

154Shares

Related Stories